Procurar

Furacões causam perdas econômicas para o Caribe

02-10-2017

Furacões causam perdas econômicas para o Caribe

Os furacões mais ferozes escolheram a temporada ciclonal de 2017 para arrasar as ilhas do Caribe e deixar depois do seu passo perdas irreparáveis em uma região altamente dependente da indústria turística para subsistir.   

Assoladas, constitui a palavra mais comum para definir os danos no Caribe, mas o que acontecerá com estes territórios cuja atividade fundamental é o turismo, ilhas que antigamente foram descritas como paraísos terrestres, com bonitas paisagens inexistentes agora.   

As sérias afetações econômicas causadas pelos meteoros se expandem a territórios como Dominique, Porto Rico, Ilhas de Virgem, Guadalupe, Martinica, Ilhas Turcas e Caicos, Bahamas, Enguia, Antígua e Barbuda, e Cuba, tudas eles derrubaradas pelos furacões Irma ou María, ambos categoria cinco, a mais alta na escala o Saffir-Simpson.   

Com ventos de até 290 quilômetros por hora, essas tempestades causaram danos comuns ao seu passo, entre eles, danos severos para as infra-estruturas, alojamentos, serviço elétrico, fontes de provisão de água, inundações grandes, e neles perderam a vida dúzias de pessoas na região.   

Os dados preliminares de Porto Rico são alarmantes; o seu governador, Ricardo Rosselló, informou que a nação inteira estava sem eletricidade, e ele destacou que pudessem passar meses até que os 3,4 milhões de boricuas possam dispor de aquele serviço novamente.   

Mas o Caribe é uma região que sobe. Embora os danos não terminaram ao passar os furacões, porque a propaganda é desfavorável para o turismo, há muitos interessados reverter a situação atual.  

RECUPERAÇÃO COM SOLIDARIEDADE   

A ajuda de Estados, governos e outras organizações internacionais é um dos modos mais efetivos para que a área sobrevive a estocada da natureza, e embora algumas nações já manifestaram sua intenção de cooperar, é necessário entender aquele precisa do apoio global inteiro.    

O reclamo Caribenho foi escutado na Assembléia Geral dos Nações Unidas, feita dos 19 a 25 de setembro.   

Vozes como esses do presidente do Haiti, Jovenel Moïse; o primeiro ministro de Antígua e Barbuda, Gaston Browne; e o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, eles uniram para romper o silêncio em torno à necessidade de cooperação pelas Antilhas.   

Browne realçou que a população inteira do seu país está sem telhado e os edifícios são conchas vazias, na ocasião ele sustentou que a reconstrução de Barbuda é calculado em aproximadamente 250 milhões de dólares, um monto bastante superior ao que pode assumir a ilha.   

A arquitetura financeira internacional deixa para trás para os países pequenos, denunciou.   

Nações como a Venezuela, Bolívia, Equador, Chile, Panamá e Rússia, entre outros, se pronunciaram com oferecer ajuda aos países afetados, enquanto poderes como a França, o Reino Unido e Holanda foram criticadas fortemente pela demora de suas amostras de cooperação.   

Antes do novo desafio, a Comunidade do Caribe (Caricom) mostrou a sua disposição para emprestar ajuda à área, e o seu presidente, Keith Mitchell, urgiu a todos os países membros e a comunidade internacional, para unir forças para confrontar os danos e ajudar ao principal danificado: o povo.   

Outra instituição regional que ofereceu seu apoio é a Organização Pan-americana da Saúde, com a remessa de materiais médicos e humanitários, e o desdobramento de equipes de resposta para as emergências que têm peritos em coordenação avaliação de danos, vigilância epidêmica, água e saneamento, logística e gestão de informação.   

Porém, o silêncio de poderosas instituições financeiras internacionais el de algunas potências do orbe persiste.  

CURIOSIDADES METEOROLÓGICAS   

O local geográfico das Antilhas o transforma no destino favorito desses eventos meteorológicos, esses que se fazem mais potentes com o decursar dos anos e por conseguinte tornam devastador, como um efeito direto da mudança climática.   

De acordo com especialistas, a formação de furacões poderosos no oceano o Atlântico está devido ao incremento contínuo da temperatura de suas águas, um dos indicadores necessários para ganhar em intensidade, como também ao nível alto de umidade no ar.   

Ambos os elementos apressam uma mudança significante e durável nos padrões locais ou globais do clima.   

A estação de ciclonal atual que estenderá até 30 de novembro, ainda constitui uma preocupação pelos habitantes da região desde que até o momento eles já quebraram o récords de formação de furacões de grande intensidade, dois deles categoria cinco com quase não 12 dias de diferença.   

Entre as curiosidades meteorológicas de 2017 é achado que pela primeira vez um furacão - a Irma - alcançou a categoria cinco antes de chegar para o mar Caribe.   

Também, três eventos viajaram o Caribe ao uníssono: a tempestade tropical o Lee, e os furacões o José e María, este último causador de uma grande devastação na área.  

Esta web utiliza cookies para obtener datos estadísticos de la navegación de sus usuarios. Si continúas navegando consideramos que aceptas su uso. Más información
Aceptar