Procurar

A conectividade no Caribe é essencial

01-06-2017

Por Elio Socorro
A conectividade no Caribe é essencial

Alejandro Varela, diretor regional adjunto para a América da Organização Mundial do Turismo (OMT), ofereceu uma conferência na Feira Internacional de Turismo de Cuba, FITCuba 2017, celebrada em Holguín. Em declarações para a revista Excelências, o diretivo realçou a importância da conectividade aérea no Caribe, a relação de Cuba e a República Dominicana como destinos complementares e o Ano Internacional do Turismo Sustentável.    

Como a OMT avalia o cume do turismo em Cuba?    

A OMT respeita e avalia muito o que está fazendo o Ministério de Turismo em Cuba. Eu acho que é um momento muito especial, não só a partir da normalização com os Estados Unidos, mas um trabalho que se vem fazer durante um tempo muito valioso e é necessário o realçar e salientá-lo. Quer dizer, que não eram as circunstâncias o que fizeram Cuba esteja no lugar que é. Cuba veio, enquanto trabalhando muito e por isso tem o lugar muito bem merecido.    

Como você vê a possibilidade de um multidestino na região do Caribe?    

Isso seria ideal. Realmente seria uma grande oportunidade para o Caribe, mas lamentavelmente não há nenhum possível multidestino sem conectividade aérea, e aquele conectividade no Caribe é essencial. Nós ainda continuamos com problemas, fica muito difícil viajar de uma ilha para outra. Muitas vezes tem que viajar para Miami para fazer uma combinação com outras ilhas ou se não, como isto me tem acontecido, fazer uma ilha-ilha que pode o levar um dia inteiro. Quer dizer, o que é necessário melhorar para oferecer um bom produto multidestino é uma boa conectividade.    

Há que vêm como uma competição a Cuba vs República Dominicana…    

De nenhuma maneira, eles sempre são complementares. A pessoa que vai depois para um lado pode ir para outro. Muitas vezes uma pessoa não vem especificamente para um lugar. Mas isto não só está no Caribe, mas acontece bastante em qualquer lugar do mundo.    

Quando alguem vai para a Europa, o que faz? Chega em Paris e daí va para a Alemanha, ou chega na França e de lá deixa para Holanda, daqui para a Bélgica, quer dizer, também leva vantagem das circunstâncias e aquela facilidade que são dadas para viajar de um lado para o outro. Os destinos ou uma região não têm que se ver como competidores, mas como atratividade complementar.    

E que você opina dos vistos na região quando viajando?    

No trabalho que nós fizemos, um das regiões mais livres no tópico de Visa é o Caribe, para o que eu acredito que naquela parte está bastante descarregado.    

Você gostaría somar algo mais pára os nossos leitores?    

Em particular, eu gostaría realçar a celebração do Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento. É uma tarefa que nós deveríamos fazer tudo e cada um de nós, do nível público e o nível privado, para tentar adquirir que há uma verdadeira compreensão do que significa o fato de ter um turismo que é sustentável, que está baseado nesses cinco pilares que eu mencionei do desenvolvimento econômico, a compreensão, os valores culturais, a paz, etc.

Esta web utiliza cookies para obtener datos estadísticos de la navegación de sus usuarios. Si continúas navegando consideramos que aceptas su uso. Más información
Aceptar